Weight Loss Program
Home Sobre o Educador.net Gráficos e Relatórios

Como interpretar os dados do Censo?

E-mail Imprimir PDF

O que o Censo Demográfico 2010 diz sobre o Brasil? Mostre aos alunos como fazer a leitura e a interpretação dos indicadores oficiais do IBGE

Objetivos
- Saber ler e interpretar dados estatísticos contidos em mapas e gráficos.
- Analisar as dinâmicas demográficas e os indicadores sociais no Brasil, com base no Censo 2010.

Conteúdos
- Brasil: dinâmicas demográficas.
- Censo 2010.
- Evolução dos níveis de renda, saneamento básico e alfabetização.
- Desigualdades sociais e regionais.

Tempo estimado
Três aulas.

Materiais necessários
Cópias das reportagens “A família encolheu” (Veja, Ed. 2244, 23 de novembro de 2011) e “IBGE mostra a persistência de dois ‘Brasis’” (Veja.com, disponível em http://abr.io/1Xvk) para todos os alunos; cartolinas, cola e canetinhas para a produção de cartazes; computadores com acesso à internet para visualização do infográfico disponível em http://abr.io/1Xvm.

Introdução
As edições online e impressa de Veja desta semana avaliam um novo bloco de dados do Censo Demográfico 2010, com destaque para itens como renda, saneamento básico e alfabetização. As estatísticas vêm confirmando que vivemos em um país maciçamente urbano, com franca diminuição do ritmo de crescimento populacional. Os dados indicam, também, comparando-se os resultados com os do Censo 2000, que há mais mulheres responsáveis pelos domicílios. As famílias estão menores (três pessoas por moradia, em média) e existe maior número de brasileiros vivendo sozinhos (hoje, são 7 milhões, contra 4 milhões há uma década).

 

Com base nos dados recentes divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e nas reportagens, convide a turma para examinar séries históricas do Censo, agora comparando dados referentes às condições sociais. Eles poderão verificar que ainda há muito a fazer para reduzir as desigualdades sociais e regionais no país.

Desenvolvimento
1ª e 2ª aulas
Inicie perguntando aos alunos se eles acompanharam no noticiário a divulgação dos resultados do Censo 2010 e questione se suas famílias participaram da pesquisa. Em seguida, distribua as cópias dos textos de Veja e de Veja.com aos estudantes, peça que leiam as matérias em duplas e recolham dados segundo diferentes categorias: núcleo familiar, renda, educação, saneamento básico (água, esgotos, coleta de lixo).

Depois, leve os alunos à sala de informática e oriente-os a consultar o infográfico interativo (disponível em http://abr.io/1Xvm) para colher e comparar dados de renda, alfabetização e saneamento básico em cidades e regiões do país. Feitas as primeiras explorações, promova rodas de conversas para aferir e debater os resultados encontrados pelos estudantes.

Abaixo, listamos algumas sugestões de encaminhamento da discussão em sala com relação a cada um dos temas:

Renda: os dados do Censo 2010 mostram que o rendimento médio mensal é de R$ 668,00. Mesmo assim, cerca de um quarto da população que trabalha recebe até R$ 188,00 e metade da população fica com apenas R$ 375,00 – valores muito abaixo da referência estabelecida para todo o território nacional, que é o salário mínimo de R$ 545,00. Faça com que os alunos percebam que há nítidas diferenças entre as regiões do país.

Examinando o infográfico de rendimentos, a turma poderá constatar que os valores do rendimento mensal per capita são mais elevados no Centro-Sul do país (manchas mais claras do mapa), se comparados aos do Norte-Nordeste (manchas mais escuras do mapa). Outro exercício importante é verificar os dados de rendimentos segundo a cor: brancos e amarelos ganham mais, enquanto negros e pardos – que, somados, perfazem hoje mais da metade da população total – ganham menos. Ainda existem diferenças importantes também entre homens e mulheres.

Alfabetização: proponha aos estudantes que comparem as séries históricas dos últimos três Censos. Eles deverão perceber que há uma queda geral nos índices de analfabetismo para todos os grupos de população e em todas as regiões do país. Entretanto, embora as taxas de analfabetismo entre negros e pardos tenham caído pela metade entre 1991 e 2010, elas ainda são muito mais elevadas que as dos brancos. Nesse quesito, é importante que os alunos levem em conta, também, o corte por faixa etária. O contingente que não sabe ler e escrever em diferentes situações sociais é mais elevado entre os brasileiros acima dos 65 anos (29% do total), se comparado ao de crianças e jovens dos 10 aos 14 anos (apenas 4% do total). Explique que as diferenças regionais reproduzem, em certa medida, os resultados da renda, com maiores taxas de analfabetismo em manchas do Norte-Nordeste. Mas os alunos devem considerar que existem muitos que não sabem ler e escrever ou realizam essas operações de forma insuficiente em bolsões nas grandes cidades do país. Do mesmo modo, pode-se encontrar no Rio de Janeiro e em São Paulo contingentes de jovens que abandonaram a escola antes mesmo de completar o Ensino Fundamental.

Saneamento básico: peça aos alunos que consultem os infográficos com resultados de 2000 e 2010. Dessa forma, a turma poderá verificar os graus de adequação das infraestruturas de saneamento básico em todo o país. Novamente chamam a atenção as desigualdades regionais, acompanhando, grosso modo, as tendências dos quesitos anteriores: os índices considerados “bons” ou “médios” são mais frequentes no Centro-Sul do país (cores mais claras nos mapas).

Chame a atenção para o fato de que são considerados aqui indicadores de abastecimento de água, redes de esgotos e coleta de lixo. De forma geral, grande parte dos domicílios brasileiros (acima dos 80%) é atendida por redes de água e coleta de lixo, mas não se pode afirmar o mesmo quanto às ligações com redes de coleta e tratamento de esgotos: em 2000, apenas 62% dos domicílios do país tinham acesso a redes de esgoto ou fossa séptica. Dez anos depois, o crescimento foi pequeno, passando a 67%. E as diferenças regionais também devem ser relativizadas: há, por exemplo, municípios da Grande São Paulo em que nenhum dos domicílios está ligado a redes coletoras. Deve-se lembrar que essas estruturas devem acompanhar o crescimento da população e a expansão do número de moradias – o que ainda não ocorre de forma plena.

Como lição de casa, solicite aos alunos que escrevam um texto dissertativo a respeito das desigualdades sociais e regionais no país, com base nos dados analisados em sala. Explique que as informações contidas nos textos servirão para a elaboração de paineis na próxima aula.

3ª aula
Com base nos dados analisados na aula anterior, nas reportagens de Veja e nos textos produzidos individualmente pelos alunos, proponha a elaboração de painéis ilustrados sobre o desafio das desigualdades sociais e regionais no país. Para esta atividade, você pode sugerir aos alunos que montem grupos de 4 ou 6 pessoas, reunindo as duplas que trabalharam juntas na aula anterior.

Lembre os alunos de que, embora haja avanços importantes – como o aumento da expectativa média de vida, o crescimento da renda e a queda das taxas de mortalidade infantil –, ainda é preciso avançar na redução das disparidades segundo a cor e a origem regional. Os obstáculos a serem vencidos tornam-se ainda maiores quando consideramos que as novas infraestruturas e serviços essenciais – que melhoram as condições de vida de forma efetiva – dependem de grandes “cirurgias” nos espaços edificados. Do mesmo modo, embora haja queda nas taxas de analfabetismo, cabe ao poder público identificar os bolsões de pessoas sem escolaridade básica, oferecer vagas na Educação de Jovens e Adultos e outros estímulos para que completem seus estudos. Não raro, autoridades municipais declaram que não há demanda para escolarização básica de jovens e adultos, mas o que ocorre é que as eventuais ofertas de estudo nem mesmo chegam a ser divulgadas de forma clara para esse público.

Ao longo da aula você deve orientar os grupos e tirar eventuais dúvidas. O ideal é que cada equipe elabore um painel sobre um dos temas já analisados. Finalizados os trabalhos, programe a turma a apresentação e debate dos resultados (o que pode se estender para uma próxima aula).

Avaliação
Leve em conta a participação de cada estudante nas tarefas individuais e coletivas e na leitura e interpretação de dados estatísticos expressos em textos, mapas e gráficos. Considere também a organização das ideias e análises dos estudantes das séries estatísticas apresentadas e a apresentação dos paineis elaborados. O importante é que os alunos, ao final das aulas, saibam ler e interpretar os dados contidos nas planilhas e gráficos, para traçar um retrato do Brasil, com base nos indicadores oficiais.

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/ensino-medio/plano-aula-como-interpretar-dados-censo-2010-647226.shtml

 
Por favor registre-se ou faça login para adicionar comentário para este artigo.
Portal sob responsabilidade da:
banner_aix
banner101

Estatísticas de usuários

Total de registrados: 13058
Usuários Online: 0
Registrados hoje: 0 Usuários
Registrados na semana: 4 Usuários
Registrados no mês: 11 Usuários

facebook twitter youtube orkut2 rss
Untitled Document

Publicidade