Weight Loss Program
Home Artigos Panorama da Educação Brasileira Frente ao Terceiro Milênio

Panorama da Educação Brasileira Frente ao Terceiro Milênio

E-mail Imprimir PDF

Ana Maria Savio Luzia
Aluna de Licenciatura em Ciências Exatas do Instituto de Física de São Carlos - USP
e-mail:
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .brEste

A nossa era é marcada por transformações tecnológicas acentuadas, globalização e a proximidade dos povos frente à Internet.

estudantes_de_biologia

É através da interdisciplinariedade que alcançaremos um saber mais amplo e menos formatado.

A especialização como forma de educação é o que a Sociedade pede: insere o aluno num mundo robotizado. Mas a satisfação com profissionais formados por uma educação mecânica é temporária. O que buscamos é uma educação abrangente, portanto necessitamos de interdisciplinariedade, o saber fragmentado não irá suprir nosso jovem no futuro, é necessário formar indivíduos críticos, aptos a absorver o excesso de informação, além de manter uma educação permanente, uma autoformação.

A escola foi criada para atender o desenvolvimento intelectual, mas a cada dia passa a atender os aspectos culturais, emocionais, sociais e morais do individuo. Como sub-sistema da sociedade, o sistema escolar reflete suas características, principalmente as nocivas, como a desigualdade. Assim o professor acumula mais um papel: amenizar as injustiças sociais.


 O ambiente da sala de aula não é isolado do mundo, é necessário discutir as desigualdades sociais na escola para que possamos garantir os cidadãos do futuro com a consciência de seus papéis na história.


Ao longo das décadas, priorizamos o ensino conteúdista e desprezamos o ensino da cultura e da ética. Hoje, o aluno absorto em tecnologia tem que conhecer também a cultura de sua região.

Assim, acabamos de enfrentar um debate: a educação brasileira foi discutida em âmbito nacional pela segunda vez (o primeiro debate ocorreu em 1961) e, por meio da Lei n° 9394 (de 20 de Dezembro de 1996), foram traçadas as novas diretrizes e bases da educação brasileira. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais, estabelecidos através desta lei, no artigo 26, consta o currículo de base para o ensino infantil, fundamental e médio.

A LDB (Lei de Diretrizes e Bases) permite às escolas flexibilidade para alcançar seus objetivos e assim institui-se a Progressão Continuada. Por meio da deliberação de 1997, o Estado de São Paulo passou a adotar no ensino fundamental a Progressão Continuada, dividindo os períodos em ciclos.

Vamos tentar entender são essas mudanças que buscam a formação do novo individuo.

1. Parâmetros Curriculares Nacionais

Os Parâmetros Curriculares Nacionais foram criados em dezembro de 1996, através do Ministério da Educação, com a intenção de nortear e garantir a formação básica comum. Buscam unificar os Currículos Escolares para que nenhum individuo tenha uma educação deficitária.

O Currículo Escolar é um projeto que estabelece um elo entre os princípios e a prática, incluindo tanto a matéria a ser ministrada quanto as características da região. Torna-se, assim, um roteiro para orientação do professor.

Formado por uma base nacional comum, tanto para o ensino médio quanto para o fundamental, contêm: Língua Portuguesa, Matemática, Ciências (Química, Física e Biologia), Historia e Geografia, além do ensino de Artes, Educação Física, Língua Estrangeira Moderna e, facultativo, Ensino Religioso.

Mas sua face mais inovadora é à parte diversificada, que busca atender as exigências regionais. Estão inclusos os temas transversais para garantir a formação do cidadão, onde serão tratados assuntos como Orientação Sexual, Meio Ambiente, Saúde e Ética. A inclusão fica a cargo da escola, que decide o que é mais conveniente.

A mudança de enfoque quanto aos conteúdos ministrados em uma disciplina reside no prolongamento de tal conteúdo, ou seja, abandona-se à postura de confinamento do ensino pelas paredes da escola, tornando-o uma ferramenta para usufruir e compreender as informações culturais, sociais e econômicas da sociedade em que o aluno vive. O ensino passa a ser útil e justificável.

Os conteúdos são assumidos como portadores de três características distintas: temos, assim, os conteúdos conceituais, os procedimentais e os atitudinais. Os conteúdos conceituais são o inicio: é através deles que o aluno entra em contato com os fatos e princípios. Assim, são responsáveis por toda construção da aprendizagem, pois são detentores das informações: são as bases para assimilação e organização dos fatos da realidade. Inconscientemente, o ser humano guarda e atenta a tudo que vê, mas não entende. Como uma reação em cadeia, os fatos passam a compreensão.

Seguindo uma linha de posse dos conteúdos conceituais, o aluno detém os fatos, mas não pode lidar com eles. Os conteúdos procedimentais visam o saber fazer, atingindo uma meta através das ações. Ao contrario do que ocorre na maioria das vezes, é necessária a intervenção do professor, pois este não é um processo individual. Saber resolver não implica na compreensão do conteúdo, uma aprendizagem mecânica não é o objetivo da atual educação, mas sim fornecer instrumentos para que o aluno possa resolver diferentes questões.

Por sua vez, os conteúdos atitudinais estão presentes em todo conhecimento escolar, estão enredados no dia a dia e proporcionam ao aluno posicionar-se perante o que apreendem. Detentores dos fatos e de como resolvê-los, é imprescindível que o aluno tenha uma postura perante eles. É na escola onde se forma grande parte do indivíduo, por isto a escolha deste conteúdo é complexa: sobre o estudante, devem ser levados em consideração o lado emocional e o grupo a que pertence, além das questões serem tratadas de maneira imparcial pelo educador, formando assim verdadeiros cidadãos.

Talvez a questão mais polêmica que envolve um Currículo Escolar é quanto a sua finalização. Estará ele completo? Nada, em tese, pode ser avaliado. Todo projeto necessita da prática, de tempo para consolidação: um projeto recente ainda não teve seu reflexo. Deste modo, um Currículo está sempre em construção. É necessário acompanhar os resultados junto às salas de aula para melhorá-los sempre e compartilhar as descobertas de um professor com todos os outros.

Outra grande discussão pedagógica é a falência de alguns tópicos em todas correntes pedagógicas, sendo que nenhuma se mostrou totalmente capaz, pois o ser humano é pluralista: o professor sabe que é necessário adaptar-se. Isso nos remete a questão anterior, que muitos professores não detêm informações sobre modelos pedagógicos, o que eles sabem é o que convém ou não em uma sala de aula, que acaba acarretando no pluralismo necessário para aplicar o projeto.

A experiência é a maior conselheira. A Psicologia se utiliza dela para respaldar seus projetos, seja pela História, pela Sociologia ou pela Antropologia. Nenhuma ciência pode ser utilizada isoladamente quando se trata do ser humano.

A maneira mais correta para trabalhar os conteúdos na escola é em conjunto, sem distinção, uma relação continua e imparcial. Uma linha a ser seguida, permeada pela constante atenção do professor, que auxilia na compreensão, organização, realização e postura perante os fatos. As três categorias de conteúdos estão presentes, hoje, no sistema escolar brasileiro, mas a maneira com que são tratadas é deficiente: a aprendizagem mecânica ainda corroe o ensino, os alunos detêm os fatos, mas não sabem resolvê-los - teoria desacompanhada da prática - e, assim, tomam posicionamentos errôneos perante a realidade. O processo de aprendizagem tem que partir do conhecimento que o aluno tem em sua vivência e, desta forma, trabalhá-lo.

2. Avaliação e Progressão Continuada

A Progressão Continuada visa uma nova avaliação, ao tirar o peso desta, promover qualquer tipo de crescimento ao aluno. Abandonam-se as palavras aprovação e reprovação e adota-se o termo progressão. A avaliação é feita por três professores e aprovada ou corrigida pelo Conselho de Classe. O conteúdo avaliado é composto pela Base Nacional de Currículos, além de redação e grau de maturidade e desenvolvimento do aluno.

Busca-se contornar com recuperações a deficiência de alunos insuficientes, alterando a relação professor-aluno para que tal professor esteja atento às dificuldades de cada estudante enquanto indivíduo. A autonomia pedagógica de cada escola prevê uma ampla discussão com alunos, pais e conselhos, escolhendo os caminhos para resolver seus problemas concretos. É um projeto recente e polêmico, a maior vitória é a diminuição da evasão escolar.


Considerações.


Em que diferem ambos projetos? Os dois visam à melhoria do ensino e uma melhor capacitação do individuo: então, não há diferença? Sim, há diferenças, e são enormes, e a principal delas é a satisfação com o resultado alcançado. A Progressão, já avaliada na prática, contenta-se com que os objetivos sejam apenas indivíduos presos aos bancos escolares e que estes tenham evoluído mecanicamente, absorvido apenas algumas informações, diminuindo precariamente suas deficiências e passando a produzir, pois nesta visão de Sociedade, o individuo é simplesmente um operário.

Os PCN’s tornam-se instrumentos dessa utopia, onde se afirma que a escola é uma instituição onipotente, capaz de decidir os rumos de seus alunos, enquanto manipula sua avaliação.

Não importa qual corrente, em um ponto todos concordam: toda criança é capaz de aprender, desde que lhe seja dada condições. São estas condições que os professores devem promover.

Os professores são condutores de um novo mundo, formado por uma crise de valores, onde modelos arcaicos são rompidos. Até quando seremos preconceituosos e veremos os alunos como estranhos? A distância entre o aluno e professor deve ser rompida, pois eles farão parte de uma nova era e têm novos anseios.

Neste mundo, um grande auxílio são as inovações tecnológicas e a facilidade de obter informação, estas devem ser um instrumento para um novo ensino. É necessário criar um novo método de ensino, uma ruptura, em que os novos fatores venham a enredar e não só adicionar os antigos conceitos. O momento é de Revolução, mudanças que busquem melhorias, detectando assim os problemas. Será, a partir de uma investigação dos anseios de uma Sociedade, a qual o sistema de ensino está submetido, que atenderemos ao futuro.

O maior desafio é a inovação consciente: não se trata de ser reacionário ou ter medo das mudanças, mas não se deve prejudicar o crescimento do intelecto do individuo devido a atitudes inconseqüentes. Mas, por muito tempo, o professor ainda será o responsável por fazer o individuo salivar, ter vontade de aprender, desejo este presente em toda criança e mutilado através dos anos por uma educação deficitária. O professor necessita de uma melhor formação: de que adianta a educação multidisciplinar se o próprio professor tem sua formação fragmentada?


 
Seja zona urbana ou rural, seja crianças ricas ou pobres, é fundamental que todos tenham direito à mesma educação de qualidade. Só garantindo uma educação universal é que poderemos sonhar com um futuro mais humano.


Todos temos consciência de que o ensino está errado. Queremos ajuda para saber o que fazer, para melhorar. Não pretendemos fazer parte do passado, queremos que todas crianças tenham igual acesso à mesma educação. Não devemos acreditar que podemos escolher qual ensino será dedicado aos alunos da zona rural ou urbana, de regiões pobres ou ricas: crianças e jovens merecem chances iguais. Devemos alterar a formação do professor, pois só ele pode mudar a educação.


Fonte:


http://www.cdcc.sc.usp.br/ciencia/artigos/art_27/psiedu.html

 

 
Por favor registre-se ou faça login para adicionar comentário para este artigo.
Portal sob responsabilidade da:
banner_aix
banner101

Estatísticas de usuários

Total de registrados: 13062
Usuários Online: 0
Registrados hoje: 0 Usuários
Registrados na semana: 0 Usuários
Registrados no mês: 0 Usuários

facebook twitter youtube orkut2 rss
Untitled Document

Publicidade